Sexta-feira, 2 de Março de 2007
CONTO VI - A ESPERA

A ESPERA

      

Ano 2266 d.C.- A humanidade estava em profunda decadência. As guerras, a poluição, a alteração brusca do clima e as catástrofes naturais tinham dizimado quase toda a população mundial. Restavam apenas alguns sobreviventes que vegetavam num mundo cada vez mais hostil.

 

♣♣♣♣♣

 

 

          Konimbria II era a ultima cidade habitada do mundo. Todas as outras estavam reduzidas a escombros. Apenas algumas ratazanas haviam sobrevivido alimentando-se dos cadáveres putrefactos.

Os habitantes de Konimbria não se atreviam a sair das muralhas metálicas feitas à pressa. Cá fora reinava a desolação total.

Cassandra passava os dias na mais alta torre da cidade. Esperava pacientemente. Que podia esperar? Não sabia. Obedecia apenas a um estranho impulso que lhe dominava a vontade.

Tinha sido a ultima a nascer. Há vinte anos que não nascia mais ninguém. Os homens tinham-se tornado estéreis. 

Do alto da sua torre podia ver o seu povo em lenta agonia. Homens e mulheres caminhavam de cabeça baixa e olhar vazio. Já ninguém se recordava de como era o som de uma gargalhada. Haviam chegado ao ponto de nem sequer terem animo para enterrar os mortos. um odor nauseabundo pairava sobre a cidade. Quando os alimentos escasseavam envolviam-se em lutas sangrentas por um pedaço de pão. O seu aspecto era sinistro: pele amarela pardacenta, lábios gretados, desprovidos de dentes e de cabelo, profundas olheiras em torno de olhos amarelados. Vestiam qualquer pedaço de tecido. Alguns, completamente alheados de si mesmo, já nem vestiam nada. Misteriosamente, Cassandra era uma excepção. Mantinha o aspecto normal de uma bela jovem dos tempos áureos da humanidade e vestia um belo vestido de seda escarlate que nunca envelhecia.

Cassandra continuava à espera. Por vezes, também ela desanimava. Olhava o mar envenenado e povoado de horrendas criaturas mutantes, também elas em lenta agonia. Os monstros também sofrem. Dali não viria nada de bom. À noite observava o cosmos, mas também ele se mostrava indiferente pela morte anunciada de um dos seus grãos de poeira. Que podia esperar Cassandra?

Um dia desencadeou-se uma terrível tempestade. O povo abrigou-se temendo a habitual chuva acida mortalmente corrosiva. Cassandra, obedecendo aquele impulso que lhe vinha de dentro, expôs-se à chuva sem qualquer receio. A água pura e fresca percorreu-lhe o corpo e uma estranha onda de prazer começou a apoderar-se dela. A chuva aumentou de intensidade e Cassandra despiu-se para melhor sentir aquele caudal de energia vinda do céu. O seu corpo estremeceu atingido por um turbilhão de emoções nunca antes sentida. Cassandra gritou de prazer aterrorizando os outros habitantes da cidade. A chuva foi parando, mas ela continuava a deliciar-se com as ultimas gotas.

Quando um raio de sol fintou as nuvens e lhe iluminou o rosto, Cassandra sorriu. O primeiro sorriso dos últimos anos. Um sorriso de esperança para ela e para o seu povo. Só ela sabia porquê. Mesmo por mera intuição e sem qualquer explicação lógica sabia que algo de mágico e sublime lhe tinha acontecido. Agora sabia que tinha valido a pena esperar.

Agora sabia que a sua espera tinha terminado.

Cassandra estava gravida.

FIM



publicado por pedrasrollantes às 11:11
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
19
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

A MINHA PINTURA - "TRAGÉD...

A MINHA PINTURA - "DISOLV...

A MINHA PINTURA - "BIVALD...

A MINHA PINTURA - "A ROSA...

A MINHA PINTURA - "MULHER...

A MINHA PINTURA - "LEOPAR...

ROLLING STONES EM PORTUGA...

CONTO VI - A ESPERA

OS STONES NO DRAGÃO

A MINHA MELHOR AMIGA, O M...

arquivos

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds